quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Atualização do Patrimônio Financeiro - Setembro de 2017: R$18.177,27 ou + R$557,41 (3,16%).

Olá blogosfera de finanças, trazendo a atualização deste último mês, em resumo não tive perdas e pude aportar, mas... como tudo nessa vida, o mês do desgosto esperou setembro para perturbar minha paz.

A começar na família, minha mãe não conseguiu marcar a data para uma cirurgia, e adivinhem o motivo? No fim do mundo, onde moro, que a doutrina chama de cidade, um vereador foi preso por improbidade administrativa, peculato, prevaricação e entre outros delitos que a maioria do políticos praticam diariamente debaixo dos nossos narizes, mas alguns acabam facilitando para serem pegos e processados, que foi o caso do nosso representante (não é assim que gostam de serem chamados?).

Entre as atividades do grupo criminoso sob às ordens desse político, estava a facilitação de acesso ao atendimento em hospitais, como funciona? O burguês pão-duro, não querendo gastar seu dinheiro, que ganhou explorando jovens pobres betas e feios, com saúde particular, pagava um menor valor ao vereador para ser colocado na frente dos outros na fila de cirurgias, em detrimento dos pobres que estavam há mais tempo aguardando. Com início do inquérito policial e prisão cautelar do vereador, a administração parou e não liberaram verbas para as cirurgias, ferrando com muitos enfermos, entre eles, minha mãe.

Semanas atrás, acordei quase meio dia, como sempre após madrugar lendo Direito ou vendo memes no Facebosta, ao sair do quarto, vejo minha mãe conversando com minha  irmã na sala, até aí não foi chamado minha atenção, tomei um banho e escovei os dentes, bebi uma xícara de café só por costume, já que o almoço estava próximo, voltei para o quarto para assistir videoaulas, com almoço já pronto, comi e me arrumei para ir à universidade, onde estudo vespertino. Quando estava na porta de saída, então ela decidiu abrir o jogo, relatando tudo que informei nos parágrafos anteriores, e declarou que precisa de dinheiro para fazer a cirurgia através de hospitais particulares, custo médio: 6 mil dilmas, conversei com ela por alguns minutos, estava de saída, para saber a gravidade de sua enfermidade, ela relatou que ainda não desenvolveu para situação grave, pedi que aguardasse após eu pagar todas as minhas dívidas do mês e verificasse quando sobraria, também garanti até o final de Outubro com uma quantia para ajudar.

Paguei todas as minhas obrigações financeiras e me sobraram R$2.300,00. Minha progenitora afirmou ter 2k, logo, faltam 1,7k para a cirurgia, que espero conseguir no próximo salário. Poderia liquidar imediatamente uma parte alocada em TD, mas calma, vamos tentar resolver isso por fora, se eu não conseguir o restante até o final deste mês, liquido uma parte do TD, minha mãe ainda tentaria de outros parentes conseguir uma parte do custo, mas como eu já conheço o ser humano em sua essência, nem conto com os demais familiares.

Sei que há discussões na finansfera a respeito da parentela como barreira do crescimento patrimonial, uma vez que eles, assim que sabem que você possui riquezas à parte, estão sempre em volta pedindo, mas nesse caso concreto é diferente, realmente estou chateado por um lado, por não ter aporte este mês e nem tão cedo, provavelmente só poderei aportar novamente em Dezembro com o 13º, o que me deixa indignado é o Governo fazer isso com a gente, pagamos por uma garantia que não nos é dada, imaginem casar com uma mulher que te prometeu amor, mas depois não quer transar com você e ter filhos, mas quer ficar usufruindo dos seus bens à vontade pro resto da vida, pois é, enojante vê os vereadores daqui tudo andando de Hilux e L200, enquanto o povo padece, negócio é ter fé em Deus de um dia esses ímpios pagarem pela cobiça, sem falar que o político acusado é um Pastor de Igreja evangélica.

Ações:



Mês movimentado na carteira de ações, tive que passar três alocações que não estavam bem de produção, principalmente no quesito lucro, seguido de compra de alocações com fundamentos melhores que abordarei mais em seguida:

Venda de Ações:


JHSF3: Empresa do ramo de administração de shoppings centers, hotéis da alta sociedade e de aeroportos executivos, atuando há 45 anos no mercado, fechou com prejuízo na soma dos últimos quatro semestres, não sei como conseguem resultados tão ruins em um ramo gourmet, bem os pais fundadores morreram e os filhos fanfarrões estão administrando.

EVEN3: Empresa do ramo da construção, sei que vida de pessoa jurídica construtora não é fácil, mas essa conseguiu superar, uma coisa é prejuízo na soma dos semestre, outra coisa é prejuízos consecutivos nos últimos quatro semestres, tem como não. Nem lembro direito o porquê da aquisição, se não me falhe a memória, o preço tava baixo em proporção ao valor da empresa na época, eles me mostraram na prática do porquê dessa desvalorização.

KLBN4: Empresa do ramo de papéis, motivo da venda? prejuízo no 2º trimestre desse ano, no anteriores até que vinha bem.

"hurr durr RN, prejuízo em um resultado e já vende, poderia ser mais razoável, a empresa só deve está passando por um momento ruim hurr durr".

Verdade, estaria tudo bem se o prejuízo não fosse de 377 "fucks" milhões de reais, usei meu pouco conhecimento contábil para averiguar o porquê desse resultado, percebi um aumento gradual de receita de vendas, aí vem aquela dúvida: se aumentou as vendas, não deveria aumentar o lucro? Pois é, concluí que a azienda não está tendo o devido controle sobre as despesas da fabricação e do transporte dos seus produtos, contabilidade de custo e logística pra quê né? 

Tem mais, na área reservado aos investidores, havia uma gravação de vídeo-conferência sobre o péssimo resultado, uma hora no total, ouvi até a metade onde só falavam se gabando do aumento de receita, principalmente da venda de fraldas geriátricas que é um dos seus produtos (realmente, com o aumento de idosos no mundo, esse tipo de produto bombará no mercado, ruim ao jovem que terá que trabalhar por mais tempo para sustentar a aposentadoria deles), só que ninguém se pronunciou a explicar o prejuízo trimestral, que eu saiba, a força de uma empresa é definida pelo Lucro e não pela Receita que a antecede. Bom mesmo fabricar bastante fraldas pra essa merda que fizeram aí.


Acima, meu humilde relatório do resultado financeiro das vendas das ações, constando os valores de compra e venda, as despesas com o negócio, seguido do resultado líquido. Como os senhores podem verificar, a despesa total com o investimento representa 15% do valor ganho com a valorização das ações, isso demonstra o que tenho falado desde o início a respeito de anotar as despesas com a alocação da ação (custódia, corretagem, diária, emolumentos, tributos, etc), o preço de compra não será o único custo. 

Talvez alguns do senhores estejam com a dúvida: "Se as ações estão ruim de resultados, por que valorizaram tão bem nos últimos oito meses?" Isso chama-se euforia do mercado caros amigos, as pessoas não sabem o que compram ou não querem avaliar, preferem dicas de fóruns por aí. Mesmo dando prejuízo, teria feito o que fiz, de qualquer forma, deu bom, o que eu tive de ganho em oito meses, precisaria de quatro anos de alocação na poupança para render o mesmo valor, neste caso, tempo é dinheiro.

Se algum observador achou estranho a klbn está com as despesas de venda maior, eu explico, de forma imprudente, para vender a bendita, dei a ordem sem reparar que possuía duas cotas, vendi só uma e tive que dá outra ordem para vender a que faltava, por consequência tive mais despesa com taxa de corretagem, que tornou mais caro o processo, dei dinheiro de graça à corretora, dava pra um lanche na faculdade (a vontade de rir é grande, mas a de chorar é maior).

Compra de Ações:   


QGEP3: Empresa do ramo de extração de petróleo e gás, parecido com a empresa que o Eike Batista quebrou, o Grupo Queiroz e Galvão atua desde de 1980 no negócio, a continuidade da Sociedade demonstra o grau de profissionalismo da administração, a azienda pôs ações no mercado em 2011, tendo bastante arrecadação para o custeio de investimento na mesma e eu também quero colaborar com esse negócio, logo, comprei uma cota, espero adquirir mais futuramente.


Acima, resultado do lucro da QGEP desde sua entrada na bolsa, houve pequenos prejuízos em meados de 2012 e 2016, este último talvez explique o preço está bem em conta, mas os prejuízos se tornam irrisórios comparados aos lucros que vem tendo, acredito que a alocação foi interessante, só o tempo dirá se foi boa.

SAPR4 (saporra): Empresa do ramo de saneamento básico, empresa de economia mista, preço em conta, lucros não só constantes mas também crescentes, localizada no Sul do Brasil, merece uma observação de pequenos investidores.

Saporra tem futuro.


CGRA4: Empresa do ramo do comércio e vestuário, tomei conhecimento da azienda pelo blog do Gregório Duvivier Carnegie e do Marcelo Barbarossa, blog referência em se tratando de fundamentos de Governanças empresariais e em história do capitalismo contemporâneo pelo mundo, sem enrolação. Grazziotin, pela minha análise, é uma empresa blindada, lucros constantes e crescentes, auto sustentável (vestuário é algo que sempre haverá público enquanto houver humanidade), Margem Líquida em 17% (empresa custeia 8,3 para ganhar 1,7 a mais), quase no ideal de 20%, ROE em 13,5% (retorno do lucro sobre o patrimônio líquido) acima do juros selic que está no momento em 8,25%, a empresa não possui dívida, usa seu próprio capital no fomento de suas atividades, e tem uma história que transcende séculos, merece a atenção de jovens investidores.

Delícia de Lucro.

UNIP6: Empresa do ramo químico, em especial o Cloro (Cl) que é um veneno que bebemos todo dia na água que a longo prazo irá nos matar, mas dá dinheiro, quem sou eu pra julgar? Analisei essa empresa de uma forma diferenciada, ela possui um margem líquida no momento em 15%, um ROE de 23%, dívidas muito bem equilibradas, embora eu tenha elogiado a Grazziotin por não ter dívidas, não é problema uma empresa ter, mas que estejam equilibradas para não prejudicar as atividades da firma conforme os ensinamentos Bastter, a UNIP mantem esse equilíbrio, seu índice "Dív. Bruta/Patrim. Líq" está um pouco abaixo de 0,5, sendo o suficiente para constatar ótima administração de dívidas. Vamos agora olhar dois gráficos, o histórico de receita e o histórico de lucro.




Não sei quanto ao senhores, mas gráficos tem histórias para contar, até 2011, coisas banais estavam acontecendo na unipar, receitas imensas que não davam lucro, chegando suas vendas a extrapolarem a barreira de 5 bilhões e saírem no prejuízo que excedia 7 milhões.



Infelizmente não sou perito em governança, tampouco fuçarei para saber, tenho muito trabalho pra fazer de universidade, mas tudo indica que não estavam adequando os custos de fabricação e transporte com as vendas. Em 2011, houve uma modificação do comportamento dos gráficos, diminuição da receita e passou a ter lucro.


Mas uma vez, não sei o que se passou e o que se passa, talvez uma mudança na administração que deixou de mão atender clientes de certo lugar e passou a atender uma parcela para tornar viável o controle de mercadoria, seja o que for, deu certo, desde a metade de 2012, a unipar vem tendo lucros constantes, mas não crescentes entre si, tornando viável uma alocação nessa azienda que se encontra com preço abaixo do adequado por sua atuação ultimamente, mas estarei de olho nos próximos trimestres.

Planilha para configuração de preço médio.


Essa planilha trata do real preço médio da ação ao investidor, uma vez que você tem gasto em alocar (corretagem, emolumentos, taxas, etc), há a necessidade de somar essa despesa com o preço de aquisição da ação, você já começa perdendo, o mercado terá que vencer a despesa, ou com a valorização da ação ou com dividendo e outros proventos, para então iniciar os ganhos. A postagem é em razão da atualização, retirada das ações vendidas e entradas das novas alocações.

Precisão das despesas com operação de compra e venda:

Corretagem: 7,5 x 8 = R$60,00.
Taxa de liquidação: R$1,99. 
Emolumentos: R$0,36.
Diária: R$2,90.
Tributos: R$5,79.

Acima, lista precisa do custo da última operação realizada, a Corretora Clean, que uso para investir em ações, cobra diária pelo uso de sua plataforma, por isso sempre procurarei realizar todas as ordens possíveis em um dia, as taxas de liquidação e tributos são custos exclusivos da venda, os demais custos são gerais, nas planilhas, o termo "Taxas e emolumentos" representam essas despesas que são ponderadas (divididas igualmente) em cada alocação, a fim de didática.

Tesouro Direto:


Houve uma valorização de 0,72% em relação ao mês passado, melhor que a poupança, sem falar do risco no próximo mês de haver uma liquidação para ajudar nos custos médicos da minha mãe.

Geral:



Blog: Mas uma vez furei com os senhores a respeito de demonstrações de fundamentos de ações, com muita tristeza venho dizer que só farei esse tipo de postagem em Dezembro, quando me encontrar de férias da Universidade, os estudos estão me tomando tempo e cada hora é valiosa para interpretar Leis e tirar uma nota suficiente para passar nas disciplinas, que são seis neste semestre, as aulas estão sendo de segunda à sábado. 

Fiz um esboço em um caderno com uma amostra de aproximadamente 120 ações presentes na bolsa, mas não consigo tempo para pô-las em planilhas no Excel, em Dezembro farei tudo novamente em razão dos resultados do terceiro trimestre, que praticamente estarão disponíveis até lá, logo, todos os fundamentos poderão está mudados.

Esse tipo de coisa deve ser feita com máxima didática para não gerar muitas dúvidas, peço compreensão se causo alguma má impressão.

Trabalho: Concederam-me férias, ganhei adicional de férias na proporção de 1/3 do meu salário que está congelado há quase três anos, usarei o dinheiro para a saúde da minha mãe, junto com uma parte do salário do próximo mês, vejo meus outros colegas de farda postando fotos no aeroporto com suas namoradas avisando sobre viagem a um lugar exótico, não entro no facebosta até acabar as férias, é, a vida tem dessas coisas.

Aporte: Alavanquei meu capital com um aposte de 3,8k, mas... com o incidente de família e incompetência desse desgoverno, aporte só no final do ano com ajuda do 13º, na melhor das hipóteses.

Estudos: Acabando a famosa semana de provas, a primeira parte, única prova que eu acredito ter me saído bem foi em previdenciário, chato é que não pretendo atuar nesse ramo, agora aguardar os resultadas da primeira fase e vê o que devo fazer na segunda.

Despesas rotineiras mensais:

Internet: R$129,00.
Universidade: R$838,05.
Cartão de Crédito: R$231,03.
Energia elétrica: R$309,29.
Academia de musculação: R$55,00. 
Cesta básica: R$420,00.

Total: R$1.982,37.

Conclusão:

Não posso enfraquecer, tenho que manter minha postura, as pessoas precisarem de mim, já demonstra o quanto estão piores do que eu, se eu cair, elas caem também, só me pergunto, quem me ajudará num momento de aflição? Pois é, motivo maior para endurecer.


Abraço do Norte e Boa Sorte.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Atualização do Patrimônio Financeiro - Agosto de 2017: R$13.819,86 ou + R$449,63 (+3,36%).

Olá Blogosfera, trazendo meus resultados financeiros referente ao mês de Agosto, a ideia é atualizar até a data 05 do mês posterior ao da atualização, infelizmente nesses dias passei por tribulações, a principal foi por ser administrador de um Bolão da Loteria LotoFácil, chegamos a acertar 13 dezenas, foi perto e felizmente conseguimos recuperar o Capital jogado, segue as alocações:

Ações:



Mês fechou com um certo sucesso, mas em se tratando de renda varável, aquela desconfiança sempre estará presente, de qualquer forma, sinto-me orgulhoso pelo meu método de alocação está funcionando.

EVEN3: Não sei o que aconteceu durante minha ausência, mas a empresa teve péssimos resultados ultimamente, este último trimestre foi R$78.292.000,00 em prejuízo, R$156.810.000,00 negativo nos últimos 12 meses de operação. Nos dez anos de resultados da Even, esse foi o pior resultado, é uma empresa do setor de construção civil, não é um mercado fácil, mas tudo indica que esse papel não estará na próxima atualização, estarei realizando a venda da ação. Houve aumento do preço do mercado, de 27,34%, mas é euforia, passarei em diante antes que o mercado se dê conta.

BEES3 e CARD3: Essas duas estão com um fundamento muito forte e estão sempre pagando dividendo e passando Juros sobre Capital, Banestes possui uma tendência a se valorizar até próximo ao dobro do valor de mercado, enquanto a CardSyst já está praticamente em seu valor intrínseco, mas seus lucros crescente indicam mudança desse valor para melhor, nos próximos meses estarei pleiteando mais uma cota de cada um desses ativos.

EUCA4: Esse ativo é uma curiosidade, pelo menos por minha parte, fundamentos longe de serem forte, nas demonstrações de 10 anos de lucro, não houve um prejuízo sequer, não há crescência e nos últimos anos houve uma queda do lucro, mas essa estabilidade em conseguir sair sempre no lucro, mesmo pequeno, agradou-me, acredito que administração assim mereça investimento, puro altruísmo e não uma dica de boa alocação.

Dividendos totais: R$5,19.
Juros s/Capital: R$15,39.

Tesouro Direto:

TítuloTesouro IPCA+2019
IndexadorIPCA
Data de compra29/04/2016
Data de vencimento15/05/2019
Taxa de rentabilidade6,11%
Preço unitárioR$ 2.395,32
Quantidade3
Valor investidoR$ 7.185,96
Valor atualR$ 8.285,47
Variação (R$)R$ 1.099,51
Variação (%)15,30%

Agora ajeitei a planilha em vertical para caber na postagem, ..., é só isso que tinha para comentar na renda fixa, segue o baile.

Geral:



Blog: Eu falei na última atualização que expressaria meus métodos de escolha de ação para alocar, foi mal, estou em fase de mudança de hábito e volta a rotina de universitário, iria começar mas antes faria uma lista de ações presentes na bolsa, só cheguei na metade da lista, mesmo assim estarei começando a dissertar o assunto, só quero fazer com calma para não gerar muitas dúvidas e interpretações erradas.

Trabalho: Haviam me colocado em um serviço de expediente que estava acabando comigo, acordar às 06:00h de segunda à sábado é um tormento para alguém que precisa dormir pelo menos 08 horas e só gosta de deitar depois da meia noite, mas briguei (na verdade me humilhei) e conseguir voltar ao serviço noturno, mais proveitoso. Fora isso, nada mudou.

Aporte: Eu falei que tinha um dinheiro guardado para solver um contrato de financiamento estudantil, pois é, não rolou, o reingresso à faculdade quebrou minhas pernas, paguei a matrícula e dois meses desse semestre, foram 2,5 mil dilmas investidas para meu retorno à sala de aula forense. Um plano nunca é executado conforme o planejado, já dizia a "Arte da Guerra", mas me livrei do consignado e das anuidades do cartão de crédito, deu bom. Logo, o que sobrou estarei alocando em ação, daqui a um tempo eu vejo o que faço com aquele contrato estudantil (o Lula mandaria eles enfiarem no cu).

Estudos: Retorno às aulas está sendo ótimo, estou absorvendo bem as disciplinas, não sou um cara burro, mas quando vem aqueles momentos de crise depressiva, perco vontade de dedicação e procrastino, resultando em péssimos desempenhos.

A sociedade me enganou prometendo Honra em troca da minha dedicação e lealdade a ela, quando dei o que queria, pisou-me e apontou aos que realmente merecem dignidade, que são aqueles que não ligam para ela e que não precisam dela, os independentes.




Abraço do Norte e Boa Sorte.

 










sábado, 19 de agosto de 2017

Caso do perdão da dívida ao Itaú Unibanco e o possível Dilema ao investidor.

Presidente miserável, Oh Deus! Sei que a justiça é sua e que os ímpios pagarão pós vida, mas nada custa o Temer provar da justiça divina antes da primeira morte, para lamentar o que faz a esta nação.

Olá blogosfera, venho comentar após tomar um melhor conhecimento sobre o fato do perdão da dívida do Governo Temer ao Banco Itaú, quem me acompanha sabe que possuo duas alocações, PN e ON, em ações do Itaúsa.

O Caso:


Em Abril deste ano, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais decidiu em favorecer o Itaú-Unibanco, perdoando uma dívida de 25 bilhões de temers de tributos devidos ao fisco referente a Imposto de Renda sobre Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Essa decisão causou revolta aos cidadãos contribuintes, uma vez que os justos desafortunados são obrigados a pagar mais tributos, enquanto os corruptos que muito tem, recebem perdão de dívidas.

O Fato:


Em meados de 2008, houve uma fusão entre o Itaú e o Unibanco, a Receita Federal constatou que o processo de fusão gerou ganhos que não foram declarados, em 2013, a Receita emitiu cobrança de quase 12 bilhões de joesleys (referente a Imposto de Renda) e um pouco mais de 6 bilhões de dilmas (referente a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), somados 18 bilhões de lulas na época.

O Banco não acatou, então iniciou um processo que durou até este ano, o Itaú se defendeu alegando não haver irregularidade e que a cobrança é indevida porque não houve receita durante o processo de união das empresas, afirmaram que a fusão foi validada  pelo Banco Central, pela Comissão de Valores Mobiliários e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

Registro fotográfico de uma das audiências do processo.

O Tempo vai, o tempo vem, a vida passa e eu sem ninguém, cadê você IF? Zueira à parte, de 2013 para cá, os 18 bilhões de lulas se transformaram em 25 bilhões de temers (correções financeiras dos juros e mora), que foram perdoados em Abril, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional recorreu da decisão, e sobre esse recurso, não possuo informação até o momento.


Minha posição:


Houve preocupação e revolta da minha parte ao saber da notícia na mídia, planejei tirar minha alocação do Itaú com base em dois pontos de vista.

Ponto de vista financeiro, o ITSA, nome da cotação da ação que tenho alocado, possui R$49 bilhões como Patrimônio Líquido (pra quem não sabe o que é patrimônio líquido, caso uma empresa vendesse tudo o que tem e pagasse tudo o que deve, o que sobrasse seria o Patrimônio Líquido), caso o Estado ganhe a causa e executar a cobrança, ferraria com a metade desse patrimônio, o fundamento da azienda ficaria muito ruim, isso seria um chute no meu saco, que já está cheio de tanta merda acontecendo nesse país.

Ponto de vista moral, em saber que possuo título de uma empresa corrupta, dando a sensação de está compactuando com o circo, "hurr durr Rei do Norte, você tem pouco dinheiro investido lá, ninguém liga se você retirar, o valor alocado é o que um gerente do Itacu gasta num almoço hurr durr" Foda-se, estarei lavando minhas mãos, posso chegar em um patamar maior algum dia, e o futuro virtuoso que almejo dependerá da filosofia que uso agora.

O quê eu queria fazer ao saber da sonegação do Itaú.

Logo me veio os esclarecimentos, o Itaú que se refere o drama, não é o meu Itaú, What's?! Pois é, vou explicar, as ações que possuo são da Itaúsa (ITSA), ela é uma holding brasileira, resumindo o que é uma holding, é uma empresa que além de ter a gestão de sua produção, tem gestão das produções de outras empresas, ou seja, uma empresa dona de outras empresas, ela é pessoa (Pessoa Jurídica), logo, pode comprar ações de outra empresa, assim como na escravidão, uma pessoa se apossava de outra (triste metáfora mas só quero esclarecer o máximo possível).

Entre as empresas controladas pela Itaúsa, está o Itaú Unibanco (ITUB), "hurr durr dá na mesma, se o ITUB se ferrar o ITSA também se ferra, já que um administra o outro hurr durr" Dá nada, o PL do Itaú Unibanco é de R$120 "fucks" bilhões, se sairia bem (eu acho).

Então, decidi por não vender minhas cotas até saber mais sobre o dolo e o envolvimento da Itaúsa nesse conflito, ressalto que conflitos tributários, qualquer um que produza corre o risco, ora você pode está sendo cobrado indevidamente e procura restituir, outrora o Estado acredita que você deva pagar por alguma coisa que você considere ser isento, daí surge os conflitos, ou litígios para os intelectuais.

Quando o brasileiro médio lê no noticiário "Governo perdoa dívida de sonegação", lá vai o anta se indignar e usar o que lê no jornal pra ganhar discussão no Facebosta. Experiências como essas servem para alertar o investidor a tomar cuidado com a mídia sensacionalistas e fuçar pra saber o que mais ou menos está acontecendo.

Curiosidade:  


Ano passado houve mudança na Presidência do Banco Central, indicado pelo Ministro da Fazenda Henrique Meirelles, Ilan Goldfajn (nêgo tem até ouro no nome) tomou posse em junho/2016.




Indivíduo de nacionalidade israelita (um judeu), estudou Economia no Brasil, chegando ao Doutorado nos EUA, até aí tudo bem, mas o curioso é seu currículo, nos últimos sete anos antes da posse, esse sujeito exerceu a função de Economista Chefe e Sócio do Itaú Unibanco (Abril/2009 à Maio/2016).





Rolando um processo bilionário do Estado contra o Itaú Unibanco, quase um ano antes da decisão do litígio, o próprio Estado escolhe uma das chefias da empresa cuja está em conflito para ser presidente do Banco Central, no mínimo, suspeito, bem suspeito, na verdade, bastante suspeito, suspeito pra caralho.


Um possível Dilema:


Concluindo meu relato, gostaria da opinião dos vocês a respeito da ética nas aziendas alocadas, quem é acionista da bolsa sabe que não é responsável pelo o que acontece na administração, tampouco pode ser citado aos processos que a empresa, na qual possui uma porcentagem, esteja sofrendo, a única responsabilidade que o investidor da bolsa tem é com o dinheiro investido, o risco de perder o valor alocado.

Agora partindo de uma reflexão, caso você tivesse uma boa carteira de investimentos em ações, com empresas com excelentes fundamentos, lucros constantes, que te pagasse gordos dividendos, de repente, não mais que de repente, descobrisse que aquela empresa têxtil na sua carteira, explora chineses como mão-de-obra barata, que aquela empresa agrícola tem mão-de-obra escrava (por incrível que pareça, há escravidão acontecendo em lugares ermos no Brasil), que aquela empresa industrial não põe filtros em suas máquinas e está despejando produtos químicos no meio-ambiente, adoecendo as pessoas que moram nas proximidades. Lógico que você não é culpado pelas desgraças, não há conduta por sua parte, mas, ao comprar as ações desses empreendimentos, você pôs capital para que continuassem as operações e você receberá dividendos frutos de desgraças.

Você tem duas escolhas, manter a alocação e conviver com um certo grau de culpa pelas atividades antiéticas dessas empresas em troca de gordas rendas, retirar a alocação e procurar outros investimentos que talvez não te retornem aquela maravilha de renda, mas é um empreendimento de atividade sustentável e que trás benefício às comunidades onde se instala. Acredito que o termo "Dilema" não seja muito correto pra chamar essa reflexão, perdoem-me, mas foi a palavra que pensei está mais próximo do assunto, o dilema parte da ideia de dois caminhos a seguir, sendo que ambos te levarão a insatisfação, no meu exemplo, a insatisfação dependerá do caráter de cada indivíduo, qual seria o seu?

Eu, Rei do Norte (O Lobo Branco), repudio empresas antiéticas, o Capitalismo surgiu para evoluir o ser humano, deixamos de ser nômades, período este em que a vida humana era incerto, andávamos sem orientação, sem saber o que iriamos comer no outro dia (e se estaríamos vivos no próximo dia), então paramos e passamos a cultivar um local (local este que mais tarde passou a se chamar território de uma nação), dominamos agricultura e a pecuária, os pensadores começaram a surgir e estudaram modos de usar os recursos naturais eficientemente, desses estudos surgiram instrumentos para aliviar o esforço bruto do homem do início dos tempos, instrumentos estes que foram se aperfeiçoando até as grandes máquinas de hoje. Claro que nesse processo, surgiram os aproveitadores, os chamados "capitalistas selvagens", gente que usa esse sistema para fins avarentos como concentrar o máximo de bens para si através de: sonegação de impostos, baixos salários aos empregados, pôr produtos com lucros abusivos ao consumidor, criar cartéis para destruir concorrentes, não investir em instrumentos que diminuam a poluição da sua empresa ao meio-ambiente, etc. 

O antiético só tem um tipo de consideração quando está no leito de morte, seus filhos querem logo que morra para usufruírem da herança, mulher querendo que morra pra arranjar um homem mais novo e gastar a pensão, amigos? Nunca teve, só "puxa sacos" que procuravam vantagens e agora puxam os sacos dos filhos que receberão a herança, os empregados até compram rojões para soltar, o médico, este quer que viva, mas não pra curar, mas para mantê-lo vivo o máximo para ganhar pelas diárias no hospital.

Esclarecendo mais uma vez para não parecer incoerente, se de fato naquela fusão houve malandragem, não prosseguirei com o "hold".

Certa vez, ouvi um professor de Economia na faculdade dissertando que no Brasil, se a empresa em algum momento não sonegar em alguma coisa, não consegue manter as atividades por muito tempo, espero que ele esteja errado, espero.


Abraço do Norte e Boa Sorte. 


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Atualização do Patrimônio Financeiro - Julho de 2017: R$13.370,23 ou + R$1.821,01 (+17,24%).

Olá blogosfera, venho demonstrar aos senhores o que aconteceu com os meus investimentos nos últimos sete meses, até que o laudo foi positivo, só eu estava negativo durante esse período, no título dessa postagem a comparação é do mês de Julho deste ano em razão do mês de Dezembro do ano passado, infelizmente não fiz o acompanhamento mensalmente das evoluções, mesmo sem computador, poderia ter registrado em manuscrito (escrever num papel de anotações à parte) até ter em mãos um gabinete de pc novo e poder postar, mas fiquei tão cabisbaixo que procrastinei tudo, segue as alocações:

Ações:



Dois trimestres de resultados se passaram e ainda não realizei sequer uma análise, bom saber que estamos no mês de Agosto e poderei analisar as demonstrações financeiras do segundo trimestre da maioria das empresas (embora as demonstrações sejam trimestrais, não quer dizer que no final do mês que fecha o trimestre coloquem as análises contábeis, geralmente dois meses depois são apresentados os resultados, por exemplo, Março fecha o primeiro trimestre do ano, mas a empresa só colocará os resultados desse período para acesso ao público em Maio, de certa forma, essa falta de precisão pode atrapalhar decisões, mas fazer o quê né?).


Agora falando sobre as alocações, parabenizar a CARD3  pelo grande desempenho, teve o maior valorização anual dos últimos cinco anos, honra seus fundamentos, as empresas da área bancária deixaram um pouco a desejar, as ações parecem uma porta, mexe pra um lado e pro outro mas não sai do lugar, mas estou tranquilo, essa ânsia deve ser pela expectativa confiada no ITSA, se teve alguém que se deu bem no Governo PT foram os bancários, qualquer pesquisa "meia boca" na internet demonstra que os bancos lucraram oito vezes mais no PT do que no no FHC, ainda dizem governar para os pobres kkkkk.

Dividendos: R$170,41

De qualquer forma, mesmo com os resultados positivos no presente, não fico me alegrando pois aqui é Renda Variável, logo, ela varia, hoje a CARD tá mais que o dobro valorizada, amanhã poderá cair pela metade, tenho que está ciente dessa realidade, como eu sou um investidor em valor, sendo doutrinado por Neff e W.B., olharei para os resultados contábeis em vez das variações da bolsa para tomar decisões, mais uma falando "Renda variável varia", ser investidor da bolsa de valores é como namorar uma mulher gostosa muito acima do seu padrão, ela pode te jurar amor e te satisfazer todo momento, mas você sempre terá desconfiança de uma possível traição a qualquer momento.

Tesouro Direto: 


TítuloIndexadorData de compraData de vencimentoTaxa de rentabilidadePreço unitárioQuantidadeValor investidoValor atualVariação (R$)Variação (%)
Tesouro IPCA+2019IPCA29/04/201615/05/20196,11%R$ 2.395,323R$ 7.185,96R$ 8.243,82R$ 1.057,8614,72%

Meu investimento completou um ano no TD, e o que tem de bom? a alíquota cobrada do IR caiu para 17,5%, agora é aguardar que complete mais um ano para ter a menor cobrança possível (que é 15%).

Pra quem não sabe como funciona a cobrança de alíquota do IR e não tá entendendo nada.

Fora isso, não aconteceu mais nada demais na Renda Fixa que é o beta dos investimentos, sem graça, sem nenhum atrativo, desinteressante, não proporciona fortes emoções, mas garante o futuro.

Geral:


Não vi um jeito convincente de organizar as planilhas do modo "cota", por isso decidi por recomeçar os históricos como estivesse começando este mês os investimentos, as porcentagens do título dessa postagem se referem ao montante dos últimos sete meses.

Blog: Ainda este mês estarei postando algumas ferramentas que uso para acessar com mais eficiência os resultados das empresas da bolsa e explicar algumas fórmulas referente a achar o "value" e o índice Neff, embora muito falados na internet, mas sempre os que postam sobre o assunto acabam enrolando mais do que de fato explicando, mas quero já avisar que sou uma pessoa normal (não muito da cabeça) e o conhecimento que possuo é por fuçar na internet em buscas de informações.

Trabalho: Continua o mesmo tédio, mas exerço minha função com veemência, sou um subalterno, não tenho que exigir reconhecimento, ninguém liga.

Aporte: Como expressei na última postagem, não aportei por não ter conhecimento em qual ação pôr e deu a ideia de solver todas as minhas obrigações parceladas, estou com 5k no bolso para solver um financiamento estudantil, não foi somado ao patrimônio porque esse dinheiro não é meu, é do banco.

Despesas: Deixei nítido sobre esse assunto na última postagem.

Estudos: Retornando as estudos e ao ambiente forense, faculdade foi a principal causa de uma crise emocional que tive nesse começo de ano, os outros problemas foram acessórios, mas isso quer dizer os problemas sumiram? Não, só estou mais calmo agora, pois é, não tem segredo, o negócio é continuar, se não puder correr, ande, se não puder andar, vá se arrastando, não há fórmula da vida fácil para os justos.

Eu prosseguindo com a vida mesmo diante dos problemas que tentam me afetar.

Abraço do Norte e Boa Sorte.







sexta-feira, 28 de julho de 2017

Homem Livre


Olá Blogosfera, finalmente voltando às postagens, chegou na semana passada o gabinete de computador novo que com muita paciência negociei, o último deu perda total após um incidente, que foi o motivo da minha ausência, esse último semestre foi terrível para mim, não tava indo bem na faculdade e tranquei para pôr a cabeça no lugar, acabei ficando sem motivação para manter a frequência na musculação e outros exercícios físicos regulares, no meio disso, meu pc quebra com todos meus dados de planilhas de evoluções por cota e uma lista de empresas que eu passei horas fundamentando, terei que usar as informações das postagens antigas para recomeçar.

Sobre gastos, nesse ano os maiores prejuízos foram com familiares e na compra do pc, ajudei na reforma da casa da minha mãe com 2k, com a compra de um gabinete por 1,7 (embora haviam mais baratos, esse tem o custo/beneficio que me alegrou, não adianta querer economizar demais consumindo coisas de má qualidade, sem falar que sou do tipo que só compra depois que quebrar) e minha mãe novamente, dessa vez com problemas de saúde e precisou me emprestar 1k para fazer alguns exames, embora o pobreta discorreu certa vez a respeito de gastos com parentes doentes no seu blog, expressando o efeito negativo no aporte, eu não tenho "sangue de barata" e frieza para negar tal ajuda, mesmo ela falando em devolver mais a frente, emprestar para um familiar é praticamente uma doação rsrsrsrs. Resumindo, tive quase 5k gastos com imprevistos nesse semestre.

"começou comprando errado" (tipo de marca dos mão-fechada).

Bom, agora falarei sobre o porquê do título dessa postagem, sem meus dados de análises de ações, não aloquei aportes que foram acumulando na conta corrente bancária, sei que não é aconselhado dinheiro parado, mas decidi deixar até refazer minhas análises, chegando a 8k de aporte nesse mês, comecei a pensar em formas de aliviar minha tristeza, percebi que certas dívidas me incomodavam, mesmo solvendo sem problemas, pensei logo naquela estória de por os problemas numa caixinha e jogar no mar, o que seria isso na prática? Solver os montantes das obrigações e esperar que isso reflita em um sentimento de paz em minha mente, teria mais vantagens financeiras alocando o aporte, mas a questão aqui não é ganho em finanças e sim paz interior.


Dívidas que me assombram, que me fazem sentir um fracasso e lembram dos momentos ruins que passei anos atrás. A primeira é um empréstimo consignado, 07 parcelas de R$550,00, muitas vezes no meu tempo de bonobo baladeiro, quando não tinha de onde tirar pra minhas farras e quando me envolvi num acidente que trouxe prejuízos materiais, ia ao banco pra me endividar mais ainda, olhar todo mês no contracheque o desconto, estraga meu dia. Segunda é o Cartão de Crédito, montante soma 930 temers, essa porra chegou em momentos alarmantes, no passado uma fatura chegou a ultrapassar 2k, sem falar da anuidade abusiva que está hoje. Terceira é um Financiamento Estudantil (Fies), no começo do curso tava em aperto ainda, usei o financiamento por três semestres e parei de renovar quando equilibrei as contas, embora os juros sejam baixos, é incomodante saber que terei que pagar depois da formatura em muitas parcelas, sem falar que trimestralmente tenho que pagar uma taxa contratual, o montante é quase 5k. Então a ideia é pegar o aporte e me livrar de tudo isso, como um homicida enterra uma vítima, eu vou enterrar esses males.



Primeiro a procurar quitar foi o empréstimo na folha, não tive problemas, mas teve um detalhe, das sete parcelas só as seis seguintes poderiam ser quitadas, teria que olhar só mais uma vez isso no meu contracheque, mas foi de boa, as seis parcelas somavam R$3.300,00 e tive o desconto de R$250,00 para quitar, a partir de Agosto não terei vestígios desse assombro.

Cartão de Crédito foi através do telefone, problema do telemarketing é que estão separados em setores, imagine se você fosse às compras do mês, fez aquela lista e tal, mas tem um problema, no supermercado não tem tudo que você quer comprar, na verdade, existem vários supermercado, cada um responsável por um tipo de produto, um vende só carne, outro só materiais de limpeza, outro só bebida, outro só alimentos não perecíveis, etc. Logo, terá que entrar, estacionar, escolher o produto, pagar, sair e entrar em outro supermercado pra fazer a mesma coisa, chato né? mas é assim nos serviços de atendimento, setor pra adquirir, setor pra reclamar, setor pra cancelar... Grrrrrrrrrrrrr! Tá, voltando ao assunto, eu queria dois procedimentos: cancelar o cartão e quitar todo o montante que devo (930 Joesleys), o primeiro atendente falou que que só poderia cancelar o cartão e que eu teria que ligar para outro número para o adiantamento dos valores parcelado, beleza até aí, cancelei e a partir daquele momento não poderia usar para compras e estava livre de anuidade (que legal), agora a parte de solver tudo que problematizou o plano.


Ao tentar o outro setor, o contato informava, através daquelas vozes gravadas, que a chamada não poderia ser feita da região em que estou (xenofóbicos do crl), tentei outro número, outra voz informando que eu não poderia usar celular para tal ligação, Grrrrr onde acharei um orelhão por aqui? Já com uma ira prestes a entrar em meu coração, tive que refletir o que realmente mais importa, então vou decidi por deixar rolar 05 meses que liquidarão esse passivo da minha vida.

Sobre o Fies, percebi que estava com pouco dinheiro disponível para a solvência desse contrato, então decidi por aguardar a entrada do salário do mês e na próxima semana conversar com um gerente do banco. Do ponto de vista financeiro, seria vantajoso manter o contrato, uma vez que os juros do meu contrato são de 3,4% a.a. e as parcelas no inicio dos pagamentos podem passar do dobro do período do Curso em que o contratante estiver, no caso do Direito, 13 anos, mas a questão aqui é egocêntrica e não financeira.

Concluindo.

Essa postagem tá longe de uma dica financeira, mas quero expor que o pior do que não ter dinheiro, é tá devendo, a não ser que você seja um malandro que empresta dinheiro de geral, não paga e ainda se gaba de fazer os outros de trouxa, já pessoas como eu que procuram um vida justa, é uma perturbação ter muitas obrigações. Todos nó queremos está no positivo, está no zero é desmotivante mas está no negativo é depressivo. Quero é reverter esse quadro, deixar de ser muito consumidor e passar a ser mais produtor, agora os Bancos deverão para mim quando investir em CDB, o Estado deverá para mim quando investir em TD, em vez de só gerar lucro às empresas comprando seus produtos, quero ganhar parte desses lucros através da compra de ações kkkkkkkkkkkkk.

Ao terminar este mês estarei demonstrando atualização da minha carteira, já digo que as alocações não mudaram nada, estou com os mesmos ativos, agora resta verificar quanto se valorizaram, faz mês que não olho, só após negociação na Caixa poderei verificar a possibilidade de aporte em Agosto, mas Setembro promete.

Robin Williams, do céu, apoia minha causa e tatuou "homem livre" no peito para criar uma corrente, sim é esta a tradução.

Abraço do Norte e Boa Sorte.