domingo, 20 de novembro de 2016

Preparando seu terreno.



Olá blogosfera, acredito que muitos chegaram aqui a fim de melhorar suas vidas financeiramente (pelo menos eu), acabamos naquela ânsia procurando uma fórmula mágica de ganhar dinheiro e gurus de investimentos que são vistos como messias pelos especuladores (até tudo dá merda). E nessa ânsia por fórmula mágica, caímos em armadilhas, como pirâmides financeiras, e na confiança dada aos gurus, acabamos sendo persuadidos a comprar ativos que nem conhecemos mas em razão dos analistas nos fóruns terem informado que seria bom comprar, compramos, e no dia seguinte quando aquela alocação sofre queda, não sabemos o porquê da desvalorização já que as fundamentações das compras foram os conselhos dos analistas que tanto confiamos.

As pessoas estão sempre procurando aprender investir em Tesouro, CDB, LCI, ações, fii's e etc, sempre estão discutindo ou perguntando qual o melhor investimento? Fundo investimento ou ações? Renda Fixa ou Renda Variável? e assim em diante. Veio-me o pensamento, para se tornar rico, só depende da sabedoria em alocar nos ativos? só depende de ter uma corretora pra aportar e pronto? Não colegas, percebi que temos que formar um caráter de investidor antes de começar a investir, as pessoas que não constroem esse caráter são as que vemos perdendo dinheiro na bolsa e sendo vítimas de pirâmides. Agora como construir essa caráter? bom, infelizmente pra isso não há curso, mas começa quando você se dá conta das merdas que está fazendo com seu dinheiro, quando no fim do mês fecha no vermelho, mesmo você ganhando, de certa forma, bem. Seguirei demonstrando como estou construindo esse caráter.


Quando tudo começou, quando conheci a blogosfera

Os senhores sabem que sou Militar, precisamente da Polícia Militar, e ganho atualmente na casa dos 4k, mas nem sempre foi assim, até antes de me graduar, nunca soube o que era um salário mínimo, já contei um pouca da minha infância e como a porra era séria, lembro que certa vez quando saí de casa pra catar latinhas para vender na sucataria, passei de bicicleta em frente a uma casa de família classe média, que após uma festa, deixaram várias latas de refrigerante e cerveja na lixeira da calçada, era uma uma oportunidade enorme de ganho para um semi-miserável, era, parei na esquina do quarteirão aguardando a oportunidade para ir pegar as latinhas, porque os moradores estavam à vista e não queria assustar mexendo no lixo deles, impressionante como eu endeusava a classe média, via as casas que eles moravam, de alvenaria, rebocadas, pintadas, tinham carros e motos, família bem estruturada com pai e mãe presentes, eram brancos e, em média, altos de altura, cheguei a pensar que riqueza era só pra pessoas assim (que idiotice, mas era uma criança concluía conforme o que via ao meu redor), fiquei quase uma hora aguardando o momento certo pra pegar aquele alumínio, mas o movimento na frente daquela casa era grande, teve um momento que uma das filhas, adolescente de uns 15 anos (hoje já deve ter mais de 30, desculpa em estragar a imaginação de vocês), branquinha, cabelos longos e castanhos, olhos claros, percebeu minha presença e olhou pra mim, chegou a me dá um cala-frio kkkkkkkkk, nem sei se ela tinha olhos claros pois estava longe, mas coloquei para enriquecer a descrição, fiquei preocupado e abandonei o plano indo embora pra casa com o pouco que tinha catado, esse é um dos momentos da minha vida, que sempre quando lembro, cai um cisco no meu olho :*( 

O legal de ser criança, é que ainda não temos noção da merda em que nossos pais nos colocaram nesse mundo.


Depois dessa delonga, voltemos ao assunto, pois bem, nunca soube que era ganhar o mínimo, mas também não tinha dívidas, quando ingressei, passei a ganhar 1,2k, na época o salário mínimo era uns 460 reais, fiquei puto de alegria, embora numa postagem anterior eu tenha sido negativo quanto a minha carreira, mas isso foi em razão da romantização que fiz referente à classe, posso não está auto realizado mas ganho bem comparado ao resto da população bostileira, assim como o Pobreta ganhando 8,5k, reclamava do trabalho, mas é o trabalho que ele está que o ajuda a aportar pra chegar à IF, assim como o VDC anda puto com o ambiente de trabalho, mas os aportes gordos vem dele, eu também estou nesse grupo dos tristes com o trabalho mas aguentam por causa do financeiro.

No primeiro ano serviço, financiei uma moto, precisava pra cumprir com horários, mesmo tendo transporte público de graça é terrível depender de ônibus pra chegar no horário, sem falar do perigo de um policial fardado está em ônibus, eu até que fiz um consórcio, mas esse negócio é merda, ficam mil pagando por algo que não estão usando, enquanto isso, a concessionária usa seu dinheiro pra investir nela sem precisar expedir debentures e emprestar dinheiro do banco, pelo menos até aí tive ciência desse mau negócio, embora só isso não me salvaria do destino escroto que teria. Eu poderia ter comprado uma moto usada, mas o orgulho dizia que só coisas novas prestavam, não deu pra aportar pra comprar à vista, era uma necessidade emergente, até aí não percebi nada de diferentes no montante das dívidas. 

Comecei a me vestir melhor, comer melhor, precisava comprar eletrodomésticos pra casa, era tenso esperar final do mês pra receber e ir comprar, por isso solicitei um cartão de crédito no banco, assim fui comprando coisas, geladeira, televisão, notebook, etc. Parcelava tudo, assim a fatura não vinha tão alta no final do mês hehehe (na boa, estou rindo aqui, naquele tempo eu realmente me achava esperto kkkkkkkkk). 

Comecei a frequentar lugares de entretenimento, até aí não tinha aproveitado em nada minha juventude, achei que era o momento de curtir a vida, afinal já era um concursado sugador de imposto dos jpbf's, as famosas baladas, não curto muito música eletrônica andava mais nas casas de show que tocavam forró e sertanejo universiotário, tava tudo tranquilo, até que o período chuvoso chegou, embora aqui chova sempre, mas em certos meses é chuva demais, ser motociclista é tenso, tem que se encapar todo pra sair na chuva, pensei: "preciso de um carro pra mais conforto na minha vida", "RN não faça isso, vai arruinar sua vida", tarde demais, na boa lembro da postagem do Pobre Diabo sobre voltar no tempo, mas queria voltar estilo skynet pra espancar eu mesmo com toda essa merda que estava fazendo.



Até que eu fui moderado na hora de escolher, não iria rolar um novo porque não caberia no bolso, decidi por um semi-escroto novo, puta ponto zero, populixolar. Durante a negociação aconteceu um imprevisto, precisava de uma entrada, que sem, não poderia fechar o negócio, infelizmente não tinha,  "Ah bom, assim você se livrou de uma enrascada RN", não tinha no bolso, por isso fui ao banco fazer um empréstimo.

"Ah puta que pariu RN, você é burro ou tá de sacanagem? ainda tem coragem de fazer um blog de finanças, saindo desse lixo de blog, aproveita e apagar essa merda"

Calma e relaxa o cu a mente, isso faz parte do subtítulo da postagem, fechei o contrato e saí de carro pra casa, os meses seguintes foram maravilhosos, andando de carro e moto, casas de show todo fim de semana, quando não estava de serviço, recebia elogios pelas minhas aquisições, um verdadeiro carpem.

Até que chegou o dia em que as contas não fecharam, fiquei um pouco chateado, mas não era algo que me preocupasse, paguei parcialmente a fatura do cartão de crédito e botei fé que no próximo mês viria com um pouco de juros mas o salário cobriria, passou-se o mês e não consegui novamente solver as contas, o que tá havendo? (perguntava-me), em vez de parar e anotar para saber da minha real situação, seguida de uma estratégia pra consertar tudo isso, deixei rolar, mal sabia do caos que estava prestes a enfrentar.

Chegou o ponto que teria que deixar de pagar um dos boletos, escolhi o do carro, decidi então negociar a motocicleta pra alguém que continuasse pagando as parcelas, dei preferência a um parente que celebrou comigo, até planejei que em alguns meses poderia pegá-la de volta dele (nunca), a guerra continuava, tava tenso, além desses passivos, tinha as dívidas domésticas (luz, água, supermercado, etc), já não dormia direito, ainda tinha o estresse do serviço no quartel, já não queria saber de sair, fiquei no "modo zumbi" sem saber ainda desse nome.

Mas quando o diabo decide atentar, é pra valer, um cara da vizinhança apareceu na porta da minha casa me convidando pra se divertir um pouco, meu lado racional dizia pra não sair, mas o emocional dizia que esqueceria um pouco os problemas bebendo, segui o emocional, essa seria uma das escolhas mais "pqp" que fiz na minha vida. Peguei meu carro e fui buscar o restante da galera, formos a um lugar público mesmo, nada de casas de show dessa vez, houve bastante divertimento e brincadeira, na volta, envolvi-me num acidente com danos materiais, não irei delongar, o principal é que não houve outra parte, perdi o controle colidi numa calçada. Envergonhado com a situação, ouvindo os maldizeres da vizinhança a meu respeito, no desespero pra consertar logo o veículo e passar uma borracha no acontecimento, peguei mais dinheiro emprestado ao banco pra reparar meu veículo, estava no fundo do poço e cavei um pouco em troca de uma boa sensação em vê o carro reparado.

Eu, tentando manter as aparências.

Aconteceu que minha mãe teve que viajar, foi decidido que eu moraria na casa da minha irmã pra não ficar sozinho e ela pudesse ganhar dinheiro com aluguel, na casa da minha irmã não haveria espaço para pôr o veículo, não queria deixá-lo no meio-fio mas fazer o quê? Quando verifiquei o endereço da minha irmã, percebi duas coisas, a faculdade onde estudo fica a três quarteirões e o local onde presto serviço ultimamente fica a uns 15 minutos de caminhada, meu cunhado tem uma motocicleta, já um pouco acabada mas anda bem, e me deixou a disposição quando precisasse, conclui que não precisava de carro e que seria a oportunidade que o destino me deu pra retirar esse passivo. Negociei com um parente como praxe, peguei um quantidade proporcional e ele se habilitou em pagar o resto das parcelas.

Passou-se o tempo, consegui solver os montantes atrasados, já sem moto e sem carro, comecei a me perguntar: Por que não tava dando certo? Por que quando ganhava nem um salário não passava por sufoco e agora ganhando bem, estava passando por essa dificuldade? O que tenho que fazer agora pra recuperar? O que tenho que fazer agora pra nunca mais passar por esse tipo de dificuldade? Esses porquês podiam parecer um lamento de um carpem desesperado, mas seriam o ponto de partida de uma nova jornada chamada "a procura da IF".



Como tradição, busquei no Google um modo de investir em algo mais rentável, o primeiro site que passei a lê foi o "quero ficar rico", foi quando conheci o Tesouro Direto, mas o adm do site não expusera o processo para investir, pra isso, eu teria que pagar um curso, "vai a merda cara, uma coisa tão simples de investir e você querendo ganhar dinheiro em cima dos desinformados", sem credibilidade no site, não paguei pelo curso.

Segui pelo Google, mas tava tenso encontrar informações sobre "como aprender investir", a linguagem técnica de muitos autores dificultavam um entendimento, precisava de algo mais simples, por isso comecei a pesquisar tipo "investimento para iniciantes" "investimento para pobres" etc, adivinhem onde fui parar? o primeiro blogueiro que conheci da blogosfera que se intitulava "Pobretão da vida ruim" kkkkkkkkkkkkkkkkkk, precisamente, a primeira postagem que li dele foi "Guia de como investir seu dinheiro para pobres" kkkkkkkkk pude disponibilizar o link graças ao cara que fez Backup do site, foi a partir daí que através do Blogroll conheci os demais e passei a lê sobre investimentos no nível prático de pessoas que não são profissionais de terno e gravata prometendo riquezas, gostei pra caralho do jeito do Pobreta se expressar, ele tentava ser agressivo mas acabava ficando muito engraçado (pelo menos pra mim), o blog do pobreta se tornou meu entretenimento, era o primeiro blog que abria, não desconsiderando toda a blogosfera mas olhava primeiro ele pra depois visitar todo mundo, enquanto guardava na poupança, ia lendo e verificando sobre corretora (até então, desconhecia o funcionamento), o que era CDB, LC, LCI e LCA, acompanhei a saga da EletroPaulo, sempre fui anônimo e não seria muito bem vindo por ser "funça sugador" e da região norte (na prática é o mesmo que nordeste), certa vez fui comentar sobre minha situação financeira, ele me respondeu dando esculacho e me chamando de "troll" e "fake" kkkkkkkkk.



Nunca entendi a perseguição a um blog divertido, tá certo que ele criticava mulheres, nordestinos, favelados, etc, mas dava pra relevar, parece que ao subir de patrimônio, houve inveja de alguns que procuraram um modo de prejudicar, e conseguiram, mas não foi ele, foram os leitores, não me tornei adepto de misoginia e nem do modo zumbi, mas eram interessantes lê o ponto de vista dele, fiquei mais esperto quanto às mulheres espertinhas e ao ambiente de trabalho.

Durante minhas leituras na blogosfera, conheci dois livros que tenho em posse e estão me ajudando a construir um caráter de investidor, são eles o "Pai Rico Pai Pobre" e "O Homem mais rico da babilônia", há vários outros livros muito bons, mas esses dois, por enquanto, que concentro leituras, eles não possuem fórmulas, não falam sobre Renda Fixa ou Variáveis, tratam do comportamento humano quanto à vida financeira, ou seja, trazem princípios que modulam o investidor, algumas coisas que li compartilharei com as minhas palavras aqui, quem não estiver de acordo, corrijam-me por favor.


Pai Rico Pai Pobre

Se trata de uma obra onde o personagem possui dois pais, um estudado com doutorado e com um cargo público importante, outro com apenas o ensino médio completo, o com escolaridade baixa deixou uma boa herança, o estudado deixou dívidas.

Entre muitas doutrinas, a obra ensina que função de trabalho não é determinante ao enriquecimento, isso lembra que a blogosfera romantiza a medicina como única profissão que presta por pagar acima de 10k e ter empregabilidade fácil. Vamos criar uma situação hipotética que explique o que o livro quer dizer, você decide ser médico, mínimo terá que estudar o dia inteiro pra conseguir faculdade de graça, se fizer particular, desembolsará uns 5k ao mês (acredito que seja a média do curso particular de medicina no Brasil), esse valor investido a 1% ao mês, gera em seis anos um pouco mais de 500k de patrimônio

Beleza, você consegue, depois de 6 anos de estudos, mais residência, seu diploma de médico, começa seu trabalho, no final do primeiro mês, ganha 20k, que legal, você finalmente começa a consumir, quer um carro luxuoso, afinal um médico não pode andar em populixo, médico é digno de andar em Mercedes, Corola, Camaro e etc, você quer morar no bairro nobre, aliás, médico não pode viver no subúrbio, então você procura o VDC pra negócio de um imóvel, vai aos bancos e financia seu possante e seu apartamento em Copacabana. Agora você fará refeições em bons restaurantes, afinal você é um médico e não pode comer qualquer coisa e em qualquer lugar. Chega o momento que você quer uma namoradinha, depois de tantos anos estudando, precisa de um "buraco quente" pra sossegar o facho, quem seria essa felizarda? afinal você é médico e sua namorada não pode ser uma afrodescendente ou parda de cabelo zoado e barriga catupiry, sua namorada tem que ser uma nórdica caucasiana, peituda e bunduda estilo panicat.

Nas baladas, que agora você frequenta constantemente dando uma de " rei do camarote", você encontra sua princesa, super tranquilo ela ser baladeira, nada a ver ela usar roupas muito curtas com o caráter dela, é só pro conforto, com certeza ela é uma moça reservada, você deve ser no máximo o segundo na vida dela, beleza, você chega na mina dizendo logo que é médico e ela fica impressionada de como você é provedor cuckold um bom partido, aí você leva ela pra morar com você, logo é considerado "união estável" e ela terá direito à metade do que você batalhou até agora, mas tá tudo bem, você a ama e confia no amor dela, com certeza ela reza por ti quando vai cumprir plantão de madrugada no hospital, jamais te trairia.

Passa-se o tempo, você nunca foi muito bom em tratar doenças, uma vez que você só entrou por causa do status e salário, logo, aconteceu que um paciente sob sua responsabilidade faleceu, os familiares do morto, suspeitam que você foi imperito e por isso ocorreu a morte, eles entram com ação criminal e cível contra você, agora você correrá ao consultório do Doutor Honorários pra que ele postule por você na causa, pois é, o advolixo que tanto você hateava nos comentário, agora vai ganhar honorários de você. Sua companheira decide se separar, agora de novo você terá que pagar mais honorários ao DH para formalizar o divorcio, sem falar de 30% do seu salário como pensão alimentícia do filho dela, que não é nada parecido com você, mas se ela disse que era teu é porque é, o apartamento em Copacabana agora é dela pra morar com o catarrento seu herdeiro, você terá que alugar um outro apartamento, afinal você é médico e não irá morar na casa dos pais. Seu carro começa a dá problemas mecânicos, as mão-de-obra é cara em razão da raridade do modelo do seu veículo, chega o IPVA fodoso, você não tendo dinheiro em mãos, usa cheque especial, afinal você é médico e logo solverá tudo.

Na formação do caos, você inconformado com o último relacionamento, agora só se relacionará com GP's, na cidade metropolizada que você mora, uma prostituta custa em média R$200,00 a hora, você precisando de sexo semanalmente, irá gastar uns 20% do que ganha todo mês com prostitutas. O Doutor Honorários viu que sua causa tá perdida e te aconselha acordo, mas você não concorda, acaba perdendo o processo, pagará honorários do seu advogado, indenização aos representantes do falecido, pensão aos dependentes do falecido até a data que ele completasse 70 anos (caso ele já tinha 70 anos completo, por 5 anos) e mais os honorários do advogado da parte contrária. 

Então você começa a ficar a louco de pedra, outro paciente te processa, sua ex pede aumento da pensão, a polícia te pára numa blitz e percebe que seu licenciamento está atrasado e guincha seu Camaro, o aluguel tá atrasado, "você se fudeu na vida".

"Hurr Durr Então fazer medicina não vale a pena? Hurr Durr"

Não é isso meu amigo, o livro quis dizer que o cargo que você ocupa, apenas não será "determinante" para ter riquezas, serás mais feliz na vida ganhando uns 5k tendo educação financeira do que 20k sendo um carpem, quem ganha 100 e gasta 100, nada tem. A estória do médico acima foi inventado por mim para explicar a parábola, mas o que aconteceu comigo foi real e quando li isso, identifiquei-me completamente, antes de eu ganhar bem, sonhava em ganhar dinheiro, não tinha dívidas, dormia bem, depois da catástrofe, trabalhava pra pagar dívidas e muitas insônias durante a noite.

Outra situação que me identifiquei no "Pai Rico Pai Pobre", foi a questão que ricos adquirem luxo por último, ou seja, depois de acumularem bem ativos. Eu fiz a merda de querer tudo no início, se eu tivesse o discernimento naquele tempo, que tenho hoje, tivesse poupado, aportado e investido, hoje talvez fosse o momento para satisfazer certos desejos, estaria com meu populixo e moto na garagem, e dinheiro sobrando e crescendo. 

O Homem mais rico da Babilônia

Neste livro, um escriba ao encontrar um homem rico, pede conselhos de como enriquecer, logo, o rico que poderia muito bem deixar de lado a solicitação, decidiu aconselhá-lo, assim começando uma série de ensinamentos que ajudaram aquele escriba a enriquecer.

O primeiro ensinamento, a importância do aporte, ou seja, o dinheiro poupado do que se ganhar, o mentor informou que deveria ser no mínimo 10%, ressalto que atualmente estudos comprovam que, de certa forma, não precisamos desses 10% pra viver, "como assim?", pra explicar isso, terei que inventar umas estorinhas didáticas. Primeira situação: você ganha um salário mínimo, morará praticamente numa favela kkkkkkk, a energia da sua casa deve está ligada a "gato", caso não esteja, mesmo assim no seu barraco não deve haver muitos eletrodomésticos pra gerar faturas altas, a tarifa no boleto de energia é reduzida por você ser pobre, suas roupas são compradas num brechó, seu transporte é busão e bicicleta. Segunda situação: você ganha uns 5k ao mês, já mora em um bairro mais ou menos, compra roupas em lojas no centro da cidade, mas nada luxuosas, seus transportes são populixo de motor ponto zero e CG 125. Terceira situação, você ganha 20k, aí já quer morar em bairro nobre, compra roupas mais luxuosas, seu transporte é Golf, Corola, Mercedes. O que essas três situações tem em comum? Justamente cada um pode muito bem guardar 10% do ganha.

"Hurr não sobra nada do meu salário de fome, papo furado isso Durr"

Se você é um carpem (quem nem eu fui), engravidou uma desempregada que só quer te sugar, comprou moto ninja pra andar pela rua com a bundinha empinada, chamando atenção de homossexuais ativos, realmente tá feia sua situação.

O segundo ensinamento, investir no que conhece, no livro, os escriba após um meses poupando, decide fazer seu primeiro investimento, aparece em sua cidade um homem vendendo pedras preciosas (rubi, safira, etc), o protagonista maravilhado com o bom preço e no possível ganho futuro na venda das pedras, usou todo seu aporte pra comprar as pedras, praticamente um "all in", depois ele percebeu que as pedras eram falsas, perdeu tudo que tinha aportado porque não conhecia nada de jóias e depositou confiança numa pessoa que tinha a ganhar com ele (parecido com pessoas que investem em ações conforme conselhos de analistas e gurus da bolsa). Meu primeiro investimento fora da poupança foi em TD, mas isso depois de muita leitura no site da Fazenda, mesmo assim, ainda tenho que aprender.

Terceiro ensinamento, reinvestir, o escriba, depois do prejuízo, poupou novamente, investiu dessa vez em algo que conhecia, comprou bronze em matéria-prima e vendeu aos artesões, lucrou bem, porém, foi carpem e gastou todo lucro numa festa pros familiares e amigos bonobos, seu mentor puxou sua orelha relatando se ele quisesse ficar rico, teria que reinvestir o lucro ganho e não satisfazer desejos que podem aguardar no futuro.

Ressalto aqui embora no segundo livro fale do mínimo de 10%, temos que ter um senso comum sobre a força do aporte, se você poupa todo mês R$100,00 ao juros composto de 1% ao mês, em 10 anos terá R$23.333,91 (renda passiva de uns R$230,00), agora se você poupar R$1000,00 ao mês com o mesmo rendimento e tempo investido, terá R$233.339,08 (renda passiva de R$2.300,00).

"Hurr meu aporte é pequeno, tenho que desistir de investir?"

Não amigo, cada centavo poupado é seu soldado nessa guerra, não os perca, mas sobre aportes digamos baixo, posso inferir dois modos de se chegar à IF, para isso iremos usar o aporte de R$100,00 mensais e um milhão como IF, para fins didáticos, desconsideraremos inflações e afins: 

O Tempo: Cem reais mensais, ao rendimento de um por cento ao mês, chegará aos um milhão em 39 anos de investimento, ou seja, se você está nos 20 anos começando a alocar essa quantia a esse rendimento, chegará à IF nos 59 anos, pode ficar tranquilo pois terá uma velhice mais confortável e poderá deixar uma boa herança aos descendentes.

O Rendimento: Cem reais mensais, a um rendimento de dois por cento ao mês, chegará aos um milhão em 23 anos, ou seja, nessa situação, o mesmo jovem do exemplo acima, terá 43 anos quando chegar ao milhão, caso ele tenha se cuidado durante esse tempo, ainda poderá aproveitar um pouco a vida antes da velhice.

Interpretando os dois caminhos, na perspectiva da blogosfera, sabemos que nós não queremos apenas uma velhice confortável, queremos provar de certos prazeres materiais, logo, o primeiro modo, a respeito do tempo, não nos é interessante, o tempo é o amigo do investidor, mas muito tempo pra se cumprir um objetivo, pode torná-lo inconveniente. Concluímos que pequenos investidores como eu, tem que arriscarem mais a fim de melhores rendimentos, o Viver de Renda, hoje só investe em Renda Fixa porque para ele, o jogo já está ganho, com patrimônio que já passou da casa dos 3kk e até o final do outro ano já estará na casa dos 5kk, até a poupança dá uma renda passiva acima de 10k ao mês. Percebo essa "proporção indireta" do poder de investimento, quanto maior o capital do investidor, menos risco é aconselhado ter, quanto menor, melhor arriscar mais.  

Por isso nas últimas postagens relatei do aumento da alocação em variáveis de 25% para 50% nos próximos meses, recebi críticas para manter 25%, mal sabem que se eu obtiver bons ganhos nos próximos meses, cogitarei aumentar pra 75% em variáveis. Conforme aumentar o patrimônio, irei diminuir o capital de risco e ir migrando gradualmente pra Fixa.

Conclusão

Aqui esclareço o título da postagem "Preparando seu terreno". 

Aprendi nos livros que o rico tem um diferencial do pobre, ele vê o dinheiro acumulado como uma árvore, e dela retira os frutos (dividendos, rendimentos, etc.) e as sementes para plantar mais árvores (reinvestimento).

Ele só retira frutos e sementes, não mexe na árvore porque dela dependerá.

Na blogosfera, o senso comum fez do um milhão a meta fim, ou seja, a árvore, quando vocês chegarem nesse milhão, irão fazer o quê? gastar em festas? (cortar a árvore) lógico que não, vocês cuidarão dele (corrigindo conforme inflação), comerão seus frutos (renda passiva) e semearão (o excesso da renda passiva que poderá ser realocado).



Partindo dessa metáfora, para se ter uma árvore grande e que dê bons frutos, você precisa plantá-la em um terreno fértil, você precisa preparar esse terreno, assim como na fazenda, o agricultor ara e aduba a terra antes de semeá-la. O que seria essa preparação? citei no começo da postagem: o caráter de um investidor. No livro "O homem mais rico da Babilônia", o protagonista se tornou investidor, mas não possuía o caráter, por isso foi enganado pelas pedras falsas e gastou o lucro do outro investimento em futilidade.

Foquei essa postagem em demonstrar como venho mudando meu ponto de vista a respeito da vida financeira, desde a escuridão que me envolveu por falta de disciplina, até a luz em encontrar e conhecer a blogosfera. 

Assim como demais blogueiros, sou uma pessoa qualquer sem muito talento ganhando a vida, então tome cuidado ao usar o que eu posto, pois não tenho a pretensão de induzir ninguém no que fazer, pois estou aqui pra compartilhar minha estratégia e dá satisfação das minhas alocações, então como este blog pode ser útil? Bom, quando perceberem que eu me dei mal em certo investimento, não façam igual, melhor do que aprender com os próprios erros, é com os erros dos outros.

Sobre as obras que citei aqui, houve críticos que reclamaram por não ensinar a investir nos livros, exatamente, esses livros não ensinam "a investir", mas sim como ser "um investidor", esses críticos se tratam dos especuladores decepcionados por não acharem uma "fórmula mágica de enriquecer" nessas obras.

E sobre as próximas gerações, não esqueçam de os educarem e os disciplinarem, para que nunca precisem mexer no lixo da classe alta em busca de uns trocados.



Obrigado e Boa sorte em vossos investimentos.