sábado, 19 de agosto de 2017

Caso do perdão da dívida ao Itaú Unibanco e o possível Dilema ao investidor.

Presidente miserável, Oh Deus! Sei que a justiça é sua e que os ímpios pagarão pós vida, mas nada custa o Temer provar da justiça divina antes da primeira morte, para lamentar o que faz a esta nação.

Olá blogosfera, venho comentar após tomar um melhor conhecimento sobre o fato do perdão da dívida do Governo Temer ao Banco Itaú, quem me acompanha sabe que possuo duas alocações, PN e ON, em ações do Itaúsa.

O Caso:


Em Abril deste ano, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais decidiu em favorecer o Itaú-Unibanco, perdoando uma dívida de 25 bilhões de temers de tributos devidos ao fisco referente a Imposto de Renda sobre Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Essa decisão causou revolta aos cidadãos contribuintes, uma vez que os justos desafortunados são obrigados a pagar mais tributos, enquanto os corruptos que muito tem, recebem perdão de dívidas.

O Fato:


Em meados de 2008, houve uma fusão entre o Itaú e o Unibanco, a Receita Federal constatou que o processo de fusão gerou ganhos que não foram declarados, em 2013, a Receita emitiu cobrança de quase 12 bilhões de joesleys (referente a Imposto de Renda) e um pouco mais de 6 bilhões de dilmas (referente a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), somados 18 bilhões de lulas na época.

O Banco não acatou, então iniciou um processo que durou até este ano, o Itaú se defendeu alegando não haver irregularidade e que a cobrança é indevida porque não houve receita durante o processo de união das empresas, afirmaram que a fusão foi validada  pelo Banco Central, pela Comissão de Valores Mobiliários e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

Registro fotográfico de uma das audiências do processo.

O Tempo vai, o tempo vem, a vida passa e eu sem ninguém, cadê você IF? Zueira à parte, de 2013 para cá, os 18 bilhões de lulas se transformaram em 25 bilhões de temers (correções financeiras dos juros e mora), que foram perdoados em Abril, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional recorreu da decisão, e sobre esse recurso, não possuo informação até o momento.


Minha posição:


Houve preocupação e revolta da minha parte ao saber da notícia na mídia, planejei tirar minha alocação do Itaú com base em dois pontos de vista.

Ponto de vista financeiro, o ITSA, nome da cotação da ação que tenho alocado, possui R$49 bilhões como Patrimônio Líquido (pra quem não sabe o que é patrimônio líquido, caso uma empresa vendesse tudo o que tem e pagasse tudo o que deve, o que sobrasse seria o Patrimônio Líquido), caso o Estado ganhe a causa e executar a cobrança, ferraria com a metade desse patrimônio, o fundamento da azienda ficaria muito ruim, isso seria um chute no meu saco, que já está cheio de tanta merda acontecendo nesse país.

Ponto de vista moral, em saber que possuo título de uma empresa corrupta, dando a sensação de está compactuando com o circo, "hurr durr Rei do Norte, você tem pouco dinheiro investido lá, ninguém liga se você retirar, o valor alocado é o que um gerente do Itacu gasta num almoço hurr durr" Foda-se, estarei lavando minhas mãos, posso chegar em um patamar maior algum dia, e o futuro virtuoso que almejo dependerá da filosofia que uso agora.

O quê eu queria fazer ao saber da sonegação do Itaú.

Logo me veio os esclarecimentos, o Itaú que se refere o drama, não é o meu Itaú, What's?! Pois é, vou explicar, as ações que possuo são da Itaúsa (ITSA), ela é uma holding brasileira, resumindo o que é uma holding, é uma empresa que além de ter a gestão de sua produção, tem gestão das produções de outras empresas, ou seja, uma empresa dona de outras empresas, ela é pessoa (Pessoa Jurídica), logo, pode comprar ações de outra empresa, assim como na escravidão, uma pessoa se apossava de outra (triste metáfora mas só quero esclarecer o máximo possível).

Entre as empresas controladas pela Itaúsa, está o Itaú Unibanco (ITUB), "hurr durr dá na mesma, se o ITUB se ferrar o ITSA também se ferra, já que um administra o outro hurr durr" Dá nada, o PL do Itaú Unibanco é de R$120 "fucks" bilhões, se sairia bem (eu acho).

Então, decidi por não vender minhas cotas até saber mais sobre o dolo e o envolvimento da Itaúsa nesse conflito, ressalto que conflitos tributários, qualquer um que produza corre o risco, ora você pode está sendo cobrado indevidamente e procura restituir, outrora o Estado acredita que você deva pagar por alguma coisa que você considere ser isento, daí surge os conflitos, ou litígios para os intelectuais.

Quando o brasileiro médio lê no noticiário "Governo perdoa dívida de sonegação", lá vai o anta se indignar e usar o que lê no jornal pra ganhar discussão no Facebosta. Experiências como essas servem para alertar o investidor a tomar cuidado com a mídia sensacionalistas e fuçar pra saber o que mais ou menos está acontecendo.

Curiosidade:  


Ano passado houve mudança na Presidência do Banco Central, indicado pelo Ministro da Fazenda Henrique Meirelles, Ilan Goldfajn (nêgo tem até ouro no nome) tomou posse em junho/2016.




Indivíduo de nacionalidade israelita (um judeu), estudou Economia no Brasil, chegando ao Doutorado nos EUA, até aí tudo bem, mas o curioso é seu currículo, nos últimos sete anos antes da posse, esse sujeito exerceu a função de Economista Chefe e Sócio do Itaú Unibanco (Abril/2009 à Maio/2016).





Rolando um processo bilionário do Estado contra o Itaú Unibanco, quase um ano antes da decisão do litígio, o próprio Estado escolhe uma das chefias da empresa cuja está em conflito para ser presidente do Banco Central, no mínimo, suspeito, bem suspeito, na verdade, bastante suspeito, suspeito pra caralho.


Um possível Dilema:


Concluindo meu relato, gostaria da opinião dos vocês a respeito da ética nas aziendas alocadas, quem é acionista da bolsa sabe que não é responsável pelo o que acontece na administração, tampouco pode ser citado aos processos que a empresa, na qual possui uma porcentagem, esteja sofrendo, a única responsabilidade que o investidor da bolsa tem é com o dinheiro investido, o risco de perder o valor alocado.

Agora partindo de uma reflexão, caso você tivesse uma boa carteira de investimentos em ações, com empresas com excelentes fundamentos, lucros constantes, que te pagasse gordos dividendos, de repente, não mais que de repente, descobrisse que aquela empresa têxtil na sua carteira, explora chineses como mão-de-obra barata, que aquela empresa agrícola tem mão-de-obra escrava (por incrível que pareça, há escravidão acontecendo em lugares ermos no Brasil), que aquela empresa industrial não põe filtros em suas máquinas e está despejando produtos químicos no meio-ambiente, adoecendo as pessoas que moram nas proximidades. Lógico que você não é culpado pelas desgraças, não há conduta por sua parte, mas, ao comprar as ações desses empreendimentos, você pôs capital para que continuassem as operações e você receberá dividendos frutos de desgraças.

Você tem duas escolhas, manter a alocação e conviver com um certo grau de culpa pelas atividades antiéticas dessas empresas em troca de gordas rendas, retirar a alocação e procurar outros investimentos que talvez não te retornem aquela maravilha de renda, mas é um empreendimento de atividade sustentável e que trás benefício às comunidades onde se instala. Acredito que o termo "Dilema" não seja muito correto pra chamar essa reflexão, perdoem-me, mas foi a palavra que pensei está mais próximo do assunto, o dilema parte da ideia de dois caminhos a seguir, sendo que ambos te levarão a insatisfação, no meu exemplo, a insatisfação dependerá do caráter de cada indivíduo, qual seria o seu?

Eu, Rei do Norte (O Lobo Branco), repudio empresas antiéticas, o Capitalismo surgiu para evoluir o ser humano, deixamos de ser nômades, período este em que a vida humana era incerto, andávamos sem orientação, sem saber o que iriamos comer no outro dia (e se estaríamos vivos no próximo dia), então paramos e passamos a cultivar um local (local este que mais tarde passou a se chamar território de uma nação), dominamos agricultura e a pecuária, os pensadores começaram a surgir e estudaram modos de usar os recursos naturais eficientemente, desses estudos surgiram instrumentos para aliviar o esforço bruto do homem do início dos tempos, instrumentos estes que foram se aperfeiçoando até as grandes máquinas de hoje. Claro que nesse processo, surgiram os aproveitadores, os chamados "capitalistas selvagens", gente que usa esse sistema para fins avarentos como concentrar o máximo de bens para si através de: sonegação de impostos, baixos salários aos empregados, pôr produtos com lucros abusivos ao consumidor, criar cartéis para destruir concorrentes, não investir em instrumentos que diminuam a poluição da sua empresa ao meio-ambiente, etc. 

O antiético só tem um tipo de consideração quando está no leito de morte, seus filhos querem logo que morra para usufruírem da herança, mulher querendo que morra pra arranjar um homem mais novo e gastar a pensão, amigos? Nunca teve, só "puxa sacos" que procuravam vantagens e agora puxam os sacos dos filhos que receberão a herança, os empregados até compram rojões para soltar, o médico, este quer que viva, mas não pra curar, mas para mantê-lo vivo o máximo para ganhar pelas diárias no hospital.

Esclarecendo mais uma vez para não parecer incoerente, se de fato naquela fusão houve malandragem, não prosseguirei com o "hold".

Certa vez, ouvi um professor de Economia na faculdade dissertando que no Brasil, se a empresa em algum momento não sonegar em alguma coisa, não consegue manter as atividades por muito tempo, espero que ele esteja errado, espero.


Abraço do Norte e Boa Sorte. 


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Atualização do Patrimônio Financeiro - Julho de 2017: R$13.370,23 ou + R$1.821,01 (+17,24%).

Olá blogosfera, venho demonstrar aos senhores o que aconteceu com os meus investimentos nos últimos sete meses, até que o laudo foi positivo, só eu estava negativo durante esse período, no título dessa postagem a comparação é do mês de Julho deste ano em razão do mês de Dezembro do ano passado, infelizmente não fiz o acompanhamento mensalmente das evoluções, mesmo sem computador, poderia ter registrado em manuscrito (escrever num papel de anotações à parte) até ter em mãos um gabinete de pc novo e poder postar, mas fiquei tão cabisbaixo que procrastinei tudo, segue as alocações:

Ações:



Dois trimestres de resultados se passaram e ainda não realizei sequer uma análise, bom saber que estamos no mês de Agosto e poderei analisar as demonstrações financeiras do segundo trimestre da maioria das empresas (embora as demonstrações sejam trimestrais, não quer dizer que no final do mês que fecha o trimestre coloquem as análises contábeis, geralmente dois meses depois são apresentados os resultados, por exemplo, Março fecha o primeiro trimestre do ano, mas a empresa só colocará os resultados desse período para acesso ao público em Maio, de certa forma, essa falta de precisão pode atrapalhar decisões, mas fazer o quê né?).


Agora falando sobre as alocações, parabenizar a CARD3  pelo grande desempenho, teve o maior valorização anual dos últimos cinco anos, honra seus fundamentos, as empresas da área bancária deixaram um pouco a desejar, as ações parecem uma porta, mexe pra um lado e pro outro mas não sai do lugar, mas estou tranquilo, essa ânsia deve ser pela expectativa confiada no ITSA, se teve alguém que se deu bem no Governo PT foram os bancários, qualquer pesquisa "meia boca" na internet demonstra que os bancos lucraram oito vezes mais no PT do que no no FHC, ainda dizem governar para os pobres kkkkk.

Dividendos: R$170,41

De qualquer forma, mesmo com os resultados positivos no presente, não fico me alegrando pois aqui é Renda Variável, logo, ela varia, hoje a CARD tá mais que o dobro valorizada, amanhã poderá cair pela metade, tenho que está ciente dessa realidade, como eu sou um investidor em valor, sendo doutrinado por Neff e W.B., olharei para os resultados contábeis em vez das variações da bolsa para tomar decisões, mais uma falando "Renda variável varia", ser investidor da bolsa de valores é como namorar uma mulher gostosa muito acima do seu padrão, ela pode te jurar amor e te satisfazer todo momento, mas você sempre terá desconfiança de uma possível traição a qualquer momento.

Tesouro Direto: 


TítuloIndexadorData de compraData de vencimentoTaxa de rentabilidadePreço unitárioQuantidadeValor investidoValor atualVariação (R$)Variação (%)
Tesouro IPCA+2019IPCA29/04/201615/05/20196,11%R$ 2.395,323R$ 7.185,96R$ 8.243,82R$ 1.057,8614,72%

Meu investimento completou um ano no TD, e o que tem de bom? a alíquota cobrada do IR caiu para 17,5%, agora é aguardar que complete mais um ano para ter a menor cobrança possível (que é 15%).

Pra quem não sabe como funciona a cobrança de alíquota do IR e não tá entendendo nada.

Fora isso, não aconteceu mais nada demais na Renda Fixa que é o beta dos investimentos, sem graça, sem nenhum atrativo, desinteressante, não proporciona fortes emoções, mas garante o futuro.

Geral:


Não vi um jeito convincente de organizar as planilhas do modo "cota", por isso decidi por recomeçar os históricos como estivesse começando este mês os investimentos, as porcentagens do título dessa postagem se referem ao montante dos últimos sete meses.

Blog: Ainda este mês estarei postando algumas ferramentas que uso para acessar com mais eficiência os resultados das empresas da bolsa e explicar algumas fórmulas referente a achar o "value" e o índice Neff, embora muito falados na internet, mas sempre os que postam sobre o assunto acabam enrolando mais do que de fato explicando, mas quero já avisar que sou uma pessoa normal (não muito da cabeça) e o conhecimento que possuo é por fuçar na internet em buscas de informações.

Trabalho: Continua o mesmo tédio, mas exerço minha função com veemência, sou um subalterno, não tenho que exigir reconhecimento, ninguém liga.

Aporte: Como expressei na última postagem, não aportei por não ter conhecimento em qual ação pôr e deu a ideia de solver todas as minhas obrigações parceladas, estou com 5k no bolso para solver um financiamento estudantil, não foi somado ao patrimônio porque esse dinheiro não é meu, é do banco.

Despesas: Deixei nítido sobre esse assunto na última postagem.

Estudos: Retornando as estudos e ao ambiente forense, faculdade foi a principal causa de uma crise emocional que tive nesse começo de ano, os outros problemas foram acessórios, mas isso quer dizer os problemas sumiram? Não, só estou mais calmo agora, pois é, não tem segredo, o negócio é continuar, se não puder correr, ande, se não puder andar, vá se arrastando, não há fórmula da vida fácil para os justos.

Eu prosseguindo com a vida mesmo diante dos problemas que tentam me afetar.

Abraço do Norte e Boa Sorte.